Plantamed
Última Revisão: 28/08/2014 17:05:02
PÁGINA INICIAL * Plantas por Nomes: POPULARES / CIENTÍFICOS.
Fotos por Nomes: POPULARES / CIENTÍFICOS * GÊNEROS * GLOSSÁRIO * DIVERSOS * PRODUTOS FITOTERÁPICOS

Calendula officinalis L. - CALÊNDULA

Nome científico da Calendula officinalis: Calendula officinalis L.

Família da Calendula officinalis: Asteraceae.

Sinônimos botânicos da Calendula officinalis: não encontrados na literatura consultada.

Outros nomes populares da Calendula officinalis: bem-me-quer, mal-me-quer, bem-me-quer-de-todos-os-meses, calêndula-das-boticas, maravilha, maravilha-dos-pudins, malmequer, malmequer-amarelo, malmequer-do-campo, mal-me-quer-dos-jardins, malmequeres, margarida-dourada, verrucária, garten-ringelblume (alemão), caléndula (espanhol), calendule (francês), marigold (inglês), fiorrancio coltivato (italiano).

Constituintes químicos da Calendula officinalis: ácidos fenol-carboxílicos; ácidos láurico, palmítico, esteárico; ácido mirístico; ácido oleanóico; ácidos orgânicos; ácido salicílico (traços); arnidiol; calendina; calenduladiol; cariofileno, carvona, ésteres colesterínicos; cumarinas; ésteres glicosídicos, faradiol; flavonóides: quircentina, quircentino glicosideo e narcisina; hidrocarboneto; isomentona; matérias corantes; mentona; minerais: ca, Si; mucilagem; óleo essencial contendo: carotenóides (caroteno, calendulina, licopina) flavocromo, mutocromo, aurocromo, flaroxantina, crisantimaxantina e xantofila; óleo volátil; poliacetilenos; polissacarídeos; princípios amargos (calendina); resina; saponinas; sesquiterpenos; taninos; taraxasterol; mono, di e triterpenos (arnidiol, faradiol); vitaminas: pró-vitamina B; xantofilas.

Propriedades medicinais: adstringente, analgésica, antiabortiva, antialérgica, antiemética, antiespasmódica, antifúngica, antiinflamatória, anti-seborréica, anti-séptica, antiviral, bactericida, calmante, cicatrizante, colagogo, emenagoga, emoliente, excitante, fungicida, protetor dos raios UVa e U.V.b., refrescante, reguladora da menstruação, resolutiva, suavizante, sudorífica, tonificante da pele, vasodilatadora, vulnerária.

Indicações: abscesso do estomago, acne, eczema seborréico do couro cabeludo, afecções nervosas, aftas, alergia, artritismo, assaduras, avermelhamento de pele, brotoeja, calos, câncer da matriz, câncer do estômago, clareia manchas, cólica menstrual, congestão do baixo ventre, dermatite (por monília e estreptocócitos), dismenorréia, doença glandular, dor, erupções cutâneas, escara, escorbuto, estimular granulocitose e fagocitose, feridas, fissuras de mama, foliculite, frieiras, fungo, gastrite, gengivite, higiene do bebe, icterícia, impetigo, inflamação (pele, mucosa, boca, garganta), mancha, olho, palidez, peles sensíveis, avermelhadas e delicadas, pólipos, problemas na produção da bile, psoríase, queimadura (suave, sol), rachaduras, resfriado, regenerar tecidos danificados, úlcera, úlcera duodenal e gastrintestinal, varizes, veias dilatadas, verrugas, vômito, vulvovaginite (tricomoniase e candidíase).

Parte utilizada da Calendula officinalis: flores, folhas e caules.

Contra-indicações/cuidados com a Calendula officinalis: não indicado para gestantes.

Modo de usar da Calendula officinalis:
- folhas e caules em saladas verdes;
- Pomada e tintura: usar folhas e flores. A tintura é diluída em água na proporção de 1:1 ou 1:2. Usar topicamente 3 a 4 vezes ao dia;
- Cataplasma: folhas e flores tenras são socadas e empastadas, sobre um pano limpo e aplicadas sobre o ferimento ou acne
- infusão: 2 colheres das de sopa de flores em ½ litro de água. Toma-se1xícara das de chá antes das refeições principais, iniciando 8 dias antes da menstruação: emenagoga;
- infusão de 2 colheres das de sopa de flores em uma xícara das de chá. Tomar ½ xícara de manhã e ½ xícara à noite: uso geral;
- infusão de ferver 3 colheres (chá) de flores secas em 3 xícaras de água. Deixar descansar por 5 minutos. Tomar 3 vezes ao dia: desintoxicante;
- infusão: 1 colher das de chá de flores em 1 xícara das de chá de água quente. Abafar por 5 minutos. Tomar ½ xícara de manhã e ½ xícara à noite. Três xícaras ao dia atua como desintoxicante: acne;
- hidroalcoolatura: macerar 1 colher das de sopa de flores em 1 xícara das de chá de álcool 70 graus diluído em 2 xícaras das de chá de álcool. Aplicar topicamente sobre a pele e umbigo do recém-nascido, para a higienização;
- óleo: macerar 20 g de flores em 250 g de óleo de oliva durante 10 dias, no escuro. Filtrar com pano e espremer. É utilizado para atenuar as rugas e atua como emoliente;
- suco das folhas: aplica-se sobre calos, verrugas e pólipos;
Uso interno:
- flores secas: 1 a 4 g três vezes ao dia.
- infusão: 10 a 15 g de folhas e flores picadas em 1 litro de água fervente. Beber 3 xícaras ao dia.
- decocção: 5 a 15 g de folhas e flores para 1 litro de água. Beber 5 xícaras ao dia.
- tintura em álcool 90%: 0,3 a 1,2 ml, três vezes ao dia.
- extrato mole: 0,3 a 0,5 g ao dia
- extrato fluido em álcool 40%: 0,5 a 1 ml, três vezes ao dia.
Uso externo:
- pomada e tintura: feitas com folhas e flores. Usar sobre as partes afetadas 3 a 4 vezes ao dia. A tintura, diluída com água destilada ou fervida, pode ser aplicada diretamente em ferimentos diversos, exercendo excelente ação cicatrizante. Utiliza-se de 1 a 2 partes de água para 1 de tintura.
- tintura em compressas: alcoolatura a 10%.
- ungüentos, pomadas para úlceras e varizes: 8 a 15%.
- banhos: 50 g da planta por litro de água.
- cataplasma: flores e folhas tenras, socadas e empastadas, sobre um pano limpo são aplicadas nos ferimentos.
fitocosmético:
- extrato glicólico: cremes e loções para peles, produtos pós barba e pós depilação, xampus de tratamento, condicionadores capilares, sabonetes, produtos após sol e para higiene bucal: 5 a 10%.
- extrato hidroalcoólico em concentrações até 2%.
- óleo: cicatriza feridas, contusões, queimaduras.

Algumas espécies do mesmo gênero da Calendula officinalis: Calendula.

Foto da Calendula officinalis é encontrada em:
Calendula-officinalis.html

Se você tem dúvidas quanto ao significado de alguma das palavras usadas nesta página consulte no Glossário.


By Zulmiro Fonseca Google +